Na primeira Carta de Paulo aos Coríntios, capítulo 12,  são citados os 9 dons do Espírito Santo, os dons buscados, as manifestações de aprovação e espiritualidade que os cristãos devem ansiar ter para servirem na igreja.

Polêmicas à parte, sem dissenções e divisões por doutrinas, Paulo orienta que Deus dá a cada um conforme Seu soberano querer. Os dons são distribuídos para gerar na igreja a interdependência, e não a autossuficiência, somos comparados ao corpo, e Cristo ao cabeça, e como corpo, que todos os membros são importantes, que se um sofre, todos sofrem juntos. E assim deve ser a igreja do Senhor.

Os dons são: Palavra de Sabedoria, Palavra da Ciência, Fé, Dons de Cura, Poder para operar Milagres, profecia, Discernimento de espíritos, Variedade de Línguas, Interpretação de Línguas (1Co 12:10). E Paulo finaliza nos orientando que devemos procurar esses dons e anuncia que irá apresentar o caminho sobremodo excelente, o dom maior!

Então entramos no capítulo 13, tão conhecido que nos ensina que mesmo se tivermos cada um desses dons, de maneira especial, dando a vida pelo evangelho, distribuindo nossos bens aos pobres, SE NÃO TIVER AMOR de nada serviria.

No Reino de Deus o amor deve ser a motivação para servir, não devemos conviver apenas com quem nos agrada, não devemos orar apenas pelos que gostamos, devemos renunciar a nós mesmos, ao nosso querer e vontade, assumindo nosso lugar de servos. E quando se tornar difícil, quando cumprir essa palavra nos custar, peçamos ao Espírito de Deus que nos inunde desse amor, pois é a Sua essência, Deus é amor (I Jo 4:16).

Suas características são paciente, bondoso, não inveja, não se vangloria, não se orgulha. Não maltrata, não procura seus interesses, não se ira facilmente, não guarda mágoas, não se alegra com a injustiça, mas com a verdade, tudo sofre, tudo crê, tudo espera, tudo suporta. O amor nunca perece, não tem prazo de validade; profecias desaparecerão, línguas cessarão, o conhecimento passará, mas o amor, juntamente com a fé e a esperança vão permanecer eternamente. (1 Co 13:4-8).

Como muitas vezes é difícil viver isso com profundidade, queremos receber esse amor de Deus e dos irmãos, ser compreendidos e amparados, mas até que ponto temos doado esse amor? Como falou Paulo, são atitudes de um cristão maduro, não podemos permanecer como meninos no evangelho. Até quando vamos insistir em manter o velho homem e adiar viver essa palavra em plenitude? Nos ajude Senhor a colocar amor em nossas palavras e ações, não para sermos vistos por homens, mas para te agradar! Basta olhar ao redor, o mundo carece desse amor.

Existe uma promessa poderosa acerca disso, que hoje vemos em parte, mas um dia, veremos por inteiro o que é Perfeito, e conheceremos como somos conhecidos no céu! O que temos feito para melhorar essa reputação celestial?

Abençõe outras pessoas: